O Mal e o Bem brigando na Venezuela como no Brasil

A procuradora venezuelana Luisa Ortega abriu investigação por suposta fraude na Constituinte arquitetada por Maduro naquele país e que causou revolta na maioria dos países democráticos que compõe a ONU. A procuradora estranhou o número que o governo venezuelano afirma ter votado, cerca de 7,6 milhões. Quando na verdade o número teria sido bem menor.

Ora, ora! Assim como na Venezuela, no Brasil também se instalou uma guerra! Estou falando da guerra entre a Procuradoria e o Supremo Tribunal Federal. Claramente as duas entidades ligadas ao sistema judiciário brasileiro são água e óleo. Enquanto a Procuradoria faz seu trabalho de proteger o país e a ética, o Supremo se alia às máfias e, do alto da sua arrogância e cumplicidade, estimula o confronto entre a decência e a sujeira. O STF vem se notabilizando por ser um freio ao combate à corrupção.

Assim como na Venezuela Maduro foi inoxidavelmente blindado e conduzido ao nível soberano de tirano, no Brasil se dá algo muito parecido. As entidades (Congresso e Judiciário) que deveriam proteger o cidadão optaram por se omitir e pior, participar do ilícito como agentes motivadores.

Não vejo uma saída em paz para este processo. Estamos incubando uma revolta social de proporções avassaladoras. Vejo o Congresso sendo tomado pela população em fúria, vejo o Supremo sendo cercado por forças saídas do esquecimento, vejo um exército perdido dentro de seu estratégico desmantelamento, vejo as forças policiais procurando um buraco para se esconderem, vejo o crime organizado impregnando os escritórios públicos e vejo uma imprensa desesperada procurando patrocinadores. Vejo empresas saindo para se instalar em outros países.

Vejo o Estado contratando, contratando e pagando benefícios fraudulentos e pérfidos a uma elitezinha política de merda, vejo a Casa da Moeda imprimindo dinheiro para pagar benefícios com o real sendo vendido em quilo nas ruas. Um quilo de feijão sendo barganhado por 2,5 kg de Real e as pessoas lotando barcos para fugirem em direção ao Atlântico. Vejo o levante “O Sul é o meu país” tomando força arrebatadora e gente que antes ironizava o movimento procurando abrigo em suas fileiras desesperadamente. Vejo gente morrendo nas ruas levando balas de borracha na cabeça…

Tudo porque o cidadão brasileiro foi covarde e submisso. E agora, fazemos parte de uma nação domada, um outro Brasil. Venezuela e Brasil, farinha do mesmo saco que produzirá pão amargo.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: