Poema de uma data

Aos mestres que transcenderam, minha admiração! Àqueles que fazem da profissão escada apenas, meus pêsames então! Que arda onde antes ardia. Que resista dentro o professor de verdade, aquele que olhe a cria na frente sua com a responsabilidade do fecundador, com o amor que permeia o sal da terra.

Porque o professor é, antes de tudo, antes que nada, um assoprador de brasas. Então assoprar conteúdo inóspito é trair os olhos e a alma aprendiz. Nesta hora, há que não pensar no aluno tão somente, mas no país que se tem pela frente. Mas que fique claro como o sol no deserto ao meio dia: nenhum país se faz com professores sozinhos, antes deles e junto com eles há pais construindo ninhos. Se pais e professores não lutarem na mesma trincheira, restará ver no campo de batalha corpos de uma geração inteira sendo devorados pelo vil. E das trincheiras que deveriam ter sido parceiras, restará um silêncio doído de falência humana pelo futuro do Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: